2009

cartaz 1º Andar - mostra de criadores emergentes 2009. Concepção de Joana Bravo e Joana Cruz

 

1º Andar – mostra de criadores emergentes 2009 consiste numa mostra de jovens criadores nacionais no âmbito das artes performativas.
Uma das preocupações da Quarta Parede é dar espaço e visibilidade a artistas emergentes, acreditando que a Beira Interior, o país, os espectadores e os próprios criadores, ganham um espaço que contribui para o desenvolvimento artístico do país. Divulgar e fomentar os novos criadores e as novas linguagens artísticas, bem como apostar na qualidade das obras são os objectivos que se perseguem para que o tecido da criação artística continue a experimentar novos caminhos.

 

26.Novembro.2009 > 21h30
Filipe Moreira > Recomeçar do princípio
Fundão > A Moagem | blackbox

crédito foto: Pedro Matos

Sobre Recomeçar do Princípio:
Este é um breve espectáculo de teatro-físico, com dois corpos. O projecto partiu da frase “Recomeçar do Princípio”, da coreógrafa Pina Bausch. Duas personagens, Adão e Eva, através de uma série de movimentos e de situações, exploram o quotidiano, a rotina e os estereótipos que estão bem presentes no percurso de vida do Homem e que o condicionam. Estas acções cruzam-se constantemente com uma natureza sempre presente, frequentemente esquecida e dominada.

De > Filipe Moreira | Interpretação > Filipe Moreira, Rita Lagarto | Som > Bruno Couto

 

26.Novembro.2009 > 22h15
Liliana Costa > Rape me rape men
Fundão > A Moagem | blackbox

Sobre Rape me rape men:
Rape Me Rape Men é uma vontade vísceral de subverter um passado. Aparentemente domina-o, supera-o e passa mesmo a disponibilizar o corpo como objecto.

Criação e produção > Liliana Costa | Interpretação > Liliana Costa e Joel Araújo Ribeiro | Desenho de luz > Eduardo Abdala | Banda sonora original e sonoplastia > Bruno Pereira

 

27.Novembro.2009 > 21h30
Dinis Machado > Dramaturgia
Covilhã > Auditório Teatro das Beiras

Sobre Dramaturgia:
Dramaturgia é o processo de gerir referentes com o objectivo de criar uma expansão artificial da realidade. Entendo assim que a arte não é um reflexo mais ou menos distorcido do real (uma cópia) mas um território artificial, nem por menos real, contíguo e com o mesmo valor de todas as outras realidades a partir das quais se expande e com as quais realiza trocas.
Assim cada artista carrega consigo um território intelectual artístico dinâmico do qual cada “obra” é um corte temporal provisório, uma pausa.
Parto da ideia da constituição do artista enquanto processo de ficcionalização. Ser artista é para mim construir o real, recusar o modelo de vida burguês e formular novas hipóteses. Fazer assim uma dramaturgia do artista, é retirar o tema e constituir a estrutura enquanto forma e conteúdo simultâneos, é pensar o que é à partida um dado adquirido, problematiza-lo e torna-lo significante. Considero que o processo de ficcionalização não depende da fuga ou descolagem do real, mas da sua articulação e consciencialização. Partirei assim para um processo de dramaturgia do “artista” feito a partir de textos ficcionais sobre artistas. Ou seja, textos onde artistas criam outros artistas, assumindo o “artista” como um outro, como um objecto que constroem num gesto auto reflexivo, idealizando-se e construindo-se – artificializando-se.
Por tudo isto quando falo de dissolução entre arte e vida não falo de uma copia muito aproximada do real ou de uma igualdade de importâncias entre real e ficcional. Quero antes concluir que ficção e realidade não são pontos que se opõem numa linha, dado que ficção é a produção de realidade e que todas as realidades são frutos de um processo de construção individual ou colectiva ficcional. Ou seja, ficção é o processo do qual uma realidade é objecto. Assim, o palco (chamemos assim por convenção a qualquer espaço cénico) não serve, para mim, como espaço invisível que deve acolher uma realidade externa, mas antes como um espaço com um funcionamento e história para o qual o artista produz uma realidade específica, habitando-o.

Um projecto de > Dinis Machado | Consultoria de > José Capela Figurinos > Mariana Sá Nogueira | Assistência de encenação > Raquel André e António Corceiro Leal | Produção > Catarina dos Santos | Apoio > Fundação Calouste Gulbenkian

 

28.Novembro.2009 > 21h30
David Marques > Motor de busca
Fundão > A Moagem | blackbox

crédito foto: Susana Paiva

Sobre Motor de busca:
Motor de Busca é um solo. Não sendo sobre a solidão, a peça apresenta-nos um ser que está sozinho mesmo quando o seu olhar reconhece a nossa presença. David Marques é o agente que vai construindo e reconfigurando um mundo que é o dele. Ele convoca a linguagem escrita, materializando palavras e frases. Se estas indiciam possíveis motores para a sua acção são mais propriamente os movimentos de procura, escolha e decisão que constituem aqui a matéria coreográfica. O recolhimento, a fuga e a resistência são as suas ressonâncias.
“Os limites da minha linguagem são os limites do meu mundo.”

Criação e interpretação > David Marques | Assistência de criação > Patrícia Milheiro | Música/design de som > Carl Simmonds e Sérgio Cruz | Desenho de luz > Nuno Patinho | Produção Executiva > Eira | Co-produção > Eira e Citemor

 

3.Dezembro.2009 > 21h30
Joana Barrios > Fake
Fundão > A Moagem | blackbox

Sobre Fake:
Ela é tipo uma amazona aci ou oci dental de skinny jeans que nem sabe de que terra é.
Encomenda-se a uma viagem que demora mais de meio mundo a fazer, mas que leva muito menos do que se esperava.
E é sob a forma de animal asiático entre o gato, a serpente e o porco que vos entrega a sua Birmanisseia, fundada no acaso e erigida na Nova Portugalidade.
FAKE é um monólogo de viagens.
FAKE é o sentimento de uma ocidental.
FAKE é a origem da Trashédia.

Direcção artística, interpretação > Joana Barrios | Dramaturgia > Joana dos Espíritos | Joana Barrios | Coaching > Rui Horta, Pedro Penim, Tiago Guedes | Espaço cénico e figurinos > Joana Barrios | Objecto cénico > Carla Freire | Desenho de Luz > Mafalda Oliveira | Vídeo > André Godinho | Fotografia > Marisa Nunes | Direcção técnica > Mafalda Oliveira | Produção e difusão > Materiais diversos | Co-produção > CCB, ZDB, O espaço do Tempo | Espectáculo financiado pela > Direcção Geral das Artes, Ministério da Cultura

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s